quarta-feira, 21 de abril de 2010

ANTES QUE SEJA TARDE

Original inglês de Ida Goldsmith Moore

Tradução de Alípio Bandeira

À tua velha mãe que longe mora

Na saudosa vivenda sossegada,

_ Vamos, senta-te á mesa e escreve agora

A carta já cem vezes protelada.

Não delongues até que a úmida cova

Seu pobre corpo, para sempre guarde;

Dá-lhe do teu carinho alguma prova,

Antes que seja tarde...

Se te vem á lembrança um doce agrado,

Um gesto, uma palavra que enterneça,

Não demores: _ aplica o teu achado;

Talvez por demorar, tudo te esqueça,

Ah, quem sabe que amargos pensamentos

Colheras da expansão que se retarde...

Abre a porta dos gratos sentimentos,

Antes que seja tarde...

As palavras de afeto improferidas,

A carta, sempre em mão, nunca enviada,

A riqueza de amor não dissipada,

São de outros corações ardente anelo.

O mais caro talvez, que o zelo aguarde...

Por esses mostra, pois todo o desvelo

Antes que seja tarde...

Nenhum comentário: